Quais os reais benefícios do vinho para a saúde?

PorAretha Yarak 8 de novembro de 2017

Nada mais gostoso do que tomar uma taça de vinho para relaxar depois de um dia cansativo de trabalho. Ainda melhor quando diversos estudos atestam os benefícios do vinho à saúde. Mas, embora a maioria dos achados seja bastante favorável à bebida, algumas pesquisas começam a questionar se realmente vale a pena incentivar o seu consumo. O importante, no entanto, é não exagerar. Afinal, um bom vinho foi feito para ser degustado com parcimônia e equilíbrio.

A maioria dos benefícios associados ao vinho estão relacionados à presença de resveratrol e de polifenóis em sua composição. Essas substâncias têm uma importante ação antioxidante, anti-inflamatória, protegem o cérebro e ajudam a prevenir o câncer. Logo, o consumo moderado da bebida teria um efeito protetor e preventivo não só nas funções cardiovasculares, mas também cerebrais e ajudaria o organismo a se blindar contra possíveis tumores.

 

Possíveis benefícios do vinho à saúde

Diversas pesquisas publicadas ao longo dos anos apontam para uma série de qualidades do vinho, como redução da pressão arterial e controle do colesterol. Um estudo publicado em 2015, por exemplo, chegou a demonstrar que tomar uma taça de vinho durante o jantar pode reduzir modestamente o risco cardiometabólico em pacientes com diabetes tipo-2. Alguns cientistas defendem ainda que o álcool presente na bebida reforçaria o metabolismo da glicose e que um flavonoide bastante comum no vinho tinto ajuda a manter a saúde cardiovascular.

Um estudo da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, demonstrou também que o resveratrol poderia blindar o cérebro contra os possíveis danos de um derrame. Ele atuaria elevando os níveis de uma enzima que protege as células nervosas cerebrais. Isso significa que o cérebro estaria de prontidão e “armado” com uma quantidade alta dessa enzima para se defender após o problema, minimizando consideravelmente os prejuízos – e, por consequência, as sequelas.

Uma outra leva de estudos encontrou ainda evidências de que o resveratrol presente no vinho seria capaz de ajudar a prevenir cânceres de intestino, mama e de próstata – um grupo de pesquisadores alerta, no entanto, que a ingestão de álcool está diretamente relacionada a diferentes tipos de câncer e que esse risco poderia, inclusive, ser maior do que os possíveis benefícios do resveratrol.

Surgem dúvidas sobre os benefícios da bebida

“O vinho realmente possui substâncias importantes na sua composição, como o resveratol, um protetor cardíaco. Mas o álcool ainda é visto como um fator negativo para saúde”, comenta a Edvânia Soares, nutricionista da clínica Estima Nutrição. É o que aponta a Academia Americana do Coração. A entidade não recomenda a ingestão de nenhum tipo de bebida alcoólica, embora reconheça que o resveratol possa ajudar a evitar a formação de coágulos dentro dos vasos sanguíneos. “Se a ideia é se beneficiar dessas substâncias, o mais indicado é fazer uma suplementação”, comenta Edvânia.

Pesquisa publicada em 2014 no periódico Food Chemistry corrobora a opinião da nutricionista. Segundo o estudo, a quantidade de resveratrol presente na bebida em geral não é tão relevante como se imaginava. “As evidências sugerem que o resveratrol pode ser insignificante em relação aos benefícios à saúde do vinho”, escreveram os pesquisadores.

Leia também

Mais Recentes