Guia do uísque: O que é, quais os tipos e como apreciar a bebida

PorVinicius Tamamoto 31 de julho de 2018

Você gosta de uísque? Se ainda não conhece muito sobre o universo desse destilado, é bom se preparar. Para especialistas americanos, a bebida está renascendo nos bares das grandes cidades de lá, o que quer dizer que a moda já já deve desembarcar por aqui.  Para te ajudar, preparamos um compilado com tudo o que você precisa saber para começar a apreciar a bebida, que pode ser bem complexa para os novatos.

O que é uísque?

Vamos começar do início. O uísque é um destilado produzido a partir da fermentação do malte. O malte é o resultado do processo de germinação de um grão, geralmente cevada ou centeio, que depois secou. Após fermentado, o líquido é amadurecido em barris.  

Os países mais famosos pela produção de uísque são Canadá, Escócia, Japão e os Estados Unidos, mas diferentes estilos da bebida são feitos no mundo todo, de Taiwan à Tasmânia.

Whisky, whiskey ou uísque?

Todas as grafias estão corretas. A classificação depende de onde o produto foi produzido. Nos Estados Unidos e na Irlanda, é comum usar o “e”, já na Escócia e no Japão, suprime-se a vogal. Já uísque é a “aportuguesação” da palavra.

Quais os tipos de whisky?

Single malt, único grão e blended

Há algumas diferenças que agem na classificação do destilado, como o grão utilizado, o processo de fabricação, o local onde foi feito e o tempo de maturação. O single malt, por exemplo, é produzido por uma única destilaria e feito a partir da fermentação de um cereal maltado, normalmente a cevada (o centeio também é usado). O chamado uísque de grão tem como principal ingrediente o milho, o trigo ou ambos. Já o blended, como sugere o nome, é criado a partir da mistura de uísques de malte único e de grão e é bastante comum na Escócia.   

Americano

Dentro os americanos, o mais famoso é o bourbon, que deve conter pelo menos 51% de milho na composição e ser amadurecido em barris de carvalho americano. Kentucky é uma região célebre por produzir o chamado straight bourbon, que deve ser maturado por no mínimo dois anos. Há ainda o blended, que pode incluir outras bebidas, o Tennessee, que só se diferencia do bourbon clássico por passar por uma filtragem em carvão, e o rye, produzido com pelo menos 51% de centeio na composição.   

Escocês

Para ser considerado escocês, o uísque deve ser produzido a partir da cevada ou grãos maltados. Aí ele é envelhecido em barris de carvalho por no mínimo três anos. E, claro, deve ter todo o processo feito na Escócia.

Irlandês

O irlandês deve ser produzido na República da Irlanda ou na Irlanda do Norte. Pode ser usado qualquer grão maltado e em diferentes proporções e ser envelhecido por pelo menos três anos em barris de madeira. Como há menos regras, há uma diversidade maior de resultados.

Japonês

Japoneses adoram uísque. Por lá, a bebida é produzida desde a década de 1920 e segue basicamente os mesmos preceitos da fabricação escocesa.

Uísque 12 anos: a idade faz diferença?

Sim. O envelhecimento é importante porque grande parte dos sabores associados ao uísque vem da madeira onde ele foi amadurecido. O barril é essencial no processo, conferindo diferentes sabores e cheiros à bebida. A maioria dos uísques é envelhecido por um período mínimo de três anos. Outros podem ficar no barril por décadas, absorvendo cada vez mais sabor. Estes, claro, são os mais caros. Mas se você ainda não é um especialista no assunto, comece pelos mais simples. Só treinando o paladar será possível apreciar de verdade um destilado envelhecido por tanto tempo.

Agora que você já sabe os principais pontos, é hora de começar a explorar o mundo do uísque. Antes de comprar uma garrafa, vale tirar dúvidas com o vendedor. Puxar um papo com bons bartenders também é uma ótima iniciação. Saúde! 🥃

Leia também

Mais Recentes